UTE Porto de Sergipe I consegue licença de instalação

09 de Agosto de 2017, 09:02

A implantação do Complexo Termelétrico Porto de Sergipe I, na Barra dos Coqueiros, dá mais um passo nesta terça-feira, 08, com a concessão, por meio da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema), de licença de instalação para a Celse, empresa responsável pelo investimento de R$ 5 bilhões. A Celse foi criada pela EBrasil e a Golar Power para a geração e comercialização da energia da usina, viabilizada no leilão A-5 de 2015.

A usina, cuja operação está prevista para iniciar em 2020, contará com tecnologia de ponta na produção de energia a partir de Gás Natural Liquefeito.  De acordo com o presidente da Celse, Eduardo Maranhão, a obtenção dessa licença é um marco importante para garantir o andamento da obra e o compromisso assumido de gerar energia a partir de janeiro de 2020.

O Complexo terá 1.551 MW de potência instalada, capacidade suficiente para abastecer a 15% da demanda de energia do Nordeste, e é composto pela UTE Porto de Sergipe I, que processará gás natural em energia elétrica; uma Linha de Transmissão com 33 km de extensão, que levará energia até o sistema integrado nacional; e um conjunto de Instalações Offshore, que contemplam uma FSRU – Unidade Flutuante de Armazenamento e Regaseificação do Gás Natural Liquefeito e gasoduto dedicado para suprimento da usina.

Toda a obra será finalizada até 2019, quando tem início a fase de testes e comissionamento, e, em janeiro de 2020, a usina deverá estar pronta para começar a fornecer energia comercialmente conforme estabelecido nos contratos de venda de energia firmados no Leilão.

Emprego

No início deste mês, durante reunião entre o governador Jackson Barreto e Eduardo Maranhão, o grupo Celse anunciou a geração de mil novos empregos até o fim do ano. Na ocasião, Jackson Barreto afirmou que, atualmente, já trabalham no empreendimento 225 operários. Nessa nova fase que se inicia, serão gerados mais 600 empregos até outubro, perfazendo 825 postos de trabalho e, até dezembro, serão mil trabalhadores empregados. “Até o final da obra, teremos 2.500 sergipanos trabalhando na termoelétrica, o que nos deixa muito feliz neste momento de crise”, ressaltou, ao destacar que solicitou à empresa que a mão de obra fosse selecionada através do Núcleo de Apoio ao Trabalho (NAT).

 

Fonte: ASN

  • Medium f431b429e30a7ad355023f0ad0679da4