Governador recebe presidente do Tribunal de Contas de Sergipe

28 de Janeiro de 2016, 08:58

Clóvis Barbosa entregou a lista de indicados a novo procurador-geral do Ministério Público de Contas para 2016-2017. De acordo com a Constituição, o governador deve escolher o nome a partir da lista de indicações feita pelo Ministério Público de Contas do Tribunal de Contas do Estado.

\r\n\r\n

O governador Jackson Barreto recebeu na manhã desta terça-feira, 26, a visita do presidente do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE), Clóvis Barbosa, que foi lhe entregar a lista de candidatos a procurador-geral do Ministério Público de Contas para o biênio 2016-2017. A visita foi acompanhada pelo procurador-geral de Contas, José Sérgio Monte Alegre e pelo secretário de Estado de Governo, Benedito Figueiredo.

\r\n\r\n

De acordo com o conselheiro-presidente, pela Constituição, a indicação é feita pelo Ministério Público de Contas do Tribunal de Contas, mas a escolha é do governador. “Viemos trazer a lista e vamos aguardar que ele faça a escolha, dentro de trinta dias. O nome que for indicado pelo governador será o procurador-geral do Tribunal de Contas de Sergipe para o biênio 2016-2017”, explicou Clóvis Barbosa.

\r\n\r\n

O governador ressaltou que esta foi a primeira visita do conselheiro após a sua posse como presidente do Tribunal de Contas e a importância do respeito e diálogo entre as instituições do Estado. “O Governo do Estado fica muito feliz com a visita do conselheiro-presidente do Tribunal de Contas do Estado, Clóvis Barbosa. Nós queremos, cada vez mais, estreitar essas relações entre o poder Executivo e as instituições.

\r\n\r\n

 O presidente trouxe a lista com os nomes dos procuradores que foram escolhidos para que o Governo do Estado, a partir desta lista, faça a nomeação como é de praxe, como é constitucional, do novo procurador do tribunal de contas, o que poderá ocorrer até o final de fevereiro.

\r\n\r\n

 O que a gente quer é este contato permanente com o Tribunal de Contas, com o Ministério Público, pois a gente quer trabalhar de uma forma conjunta. Estamos atravessando um período de muitas dificuldades e é preciso que haja esse entendimento entre os poderes, entre as instituições, porque na medida em que se convive na base do entendimento, as soluções para os problemas ficam mais fáceis”,  disse Jackson.
\r\nFonte: ASN

\r\n