Fiat Chrysler e AutoX se unem para lançar táxis robôs na China

10 de Fevereiro de 2020, 05:07

Fiat Chrysler Automobiles (FCA) está unindo suas forças com a startup chinesa AutoX para levar robotáxis autônomos para a China. As empresas confirmaram hoje (10) os rumores recentes sobre uma parceria e anunciaram que a plataforma AutoX AI Driver será instalada na FCA Chrysler Pacifica.


A AutoX, com sede em Hong Kong, diz que integrará seu hardware e software autônomo a uma frota de minivans da Chrysler Pacifica. "A AutoX Driver adotou estilos de direção local na China para viajar em condições urbanas complexas e dinâmicas", escreveu a AutoX em um post em seu blog.


Ainda, "esta nova geração vem com um design criativo, integrando uma série de sensores, incluindo sensores LiDar de estado sólido, radares, câmeras, GPS, IMU e também o AutoX XCU", completou a plataforma.


Para a Fiat Chrysler, essa é outra maneira de entrar no campo de veículos autônomos, apesar da empresa ficar atrás de alguns de seus concorrentes no que diz respeito à tecnologia de carros elétricos e autônomos.


Até agora, os esforços da FCA incluíram principalmente conceitos de veículos elétricos, como o Centoventi, e o fornecimento de Chrysler Pacificas à Waymo, a mesma van que a AutoX utilizará em sua frota. No entanto, isso pode estar mudando, graças a essa e a recente parceria anunciada com a com a Foxconn, para construir veículos elétricos e carros conectados à internet na China.


Em contrapartida, a FCA enfrentará muita concorrência em território chinês. No país asiático, os testes com veículos elétricos em vias públicas são permitidos desde 2017. Empresas como a Didi Chuxing, dona da 99, Baidu, Alibaba e Tencent já estão trabalhando em plataformas de veículos autônomos.


Grandes montadoras automotivas, como Volvo e Ford, estão envolvidas com o Baidu. Enquanto isso, a subsidiária de carros autônomos da Volkswagen, a Volkswagen Autonomy (VWAT), planeja abrir um escritório na China em 2021.


A frota de carros autônomos pode aparecer em cidades chinesas como Xangai e Shenzhen ainda no primeiro semestre deste ano.


Via: Engadget


FONTE: OLHAR DIGITAL