Estado e Celse reformarão Teatro Tobias Barreto, Biblioteca e Arquivo

07 de Dezembro de 2017, 16:54

Serão investidos cerca de R$ 15 milhões nas obras. Celse é a empresa responsável pela termelétrica de Sergipe

O governo do Estado de Sergipe, por meio da secretaria de Estado da Cultura (Secult), e a Centrais Elétricas de Sergipe (Celse) assinaram, nesta quinta-feira, 07, Protocolo de Intenções, com vigência de cinco anos, através do qual as partes firmam parceria para a preservação do patrimônio cultural e histórico de espaços públicos que integram o meio ambiente cultural de Sergipe. Serão reformados, a partir de um investimento de cerca de R$ 15 milhões, o Teatro Tobias Barreto, o complexo da Biblioteca Pública Epifânio Dória e o Arquivo Público de Sergipe.

Jackson destacou que a reforma desses três espaços demonstra o compromisso do seu governo com a cultura. “Essa assinatura é um hino de louvor e amor à cultura. Procuramos deixar uma marca em cada área da nossa gestão e essa é uma vitória de todos os servidores da Cultura, em especial, dos da Biblioteca, do Teatro e do Arquivo Público, mas, principalmente, do povo sergipano. Acho que, inspirado na famosa frase de Fernando Pessoa, esse ato pode ser definido com a afirmativa: 'Tudo vale a pena se a alma não é pequena', porque muitos sugeriram que esse investimento fosse para outra área, mas eu fiz questão que viesse para Cultura, pois a cultura faz parte da alma da nossa gente, do nosso povo, e sabemos o quanto é difícil conseguir investimentos federais para essa área. Essa foi a oportunidade que tive de deixar um legado na área da cultura, com esse investimento da termelétrica”.

Segundo o governador, as obras começarão no início do próximo ano. “Creio qu,  no mês de fevereiro, essas obras de reforma já serão iniciadas. Será um investimento de R$ 15 milhões. A termelétrica vai fazer a reforma desses três prédios, por conta exclusiva da empresa, não há nenhuma participação financeira do Estado. Nas tratativas republicanas que tivemos com a empresa, nós solicitamos esse apoio cultural para o nosso estado, que agora se efetiva. O que é muito importante, pois a empresa mostra também seu compromisso social com o nosso estado. Não é apenas vir aqui e implantar a termelétrica, que, aliás, neste momento, com prometemos em agosto, como um presente de Natal aos sergipanos, está gerando 1.100 empregos”, informou o governador.

A parceria se reveste de importância tendo em vista a conjuntura econômica que enfrentam os Estados brasileiros, com sérias dificuldades para preservar seus espaços culturais. “Estamos muito felizes de fazer esse investimento em Sergipe. É um apoio que a empresa Celse está dando para toda a cultura do estado. A Celse é uma empresa que está se estabelecendo no estado para ficar. Nosso investimento é de longo prazo e queremos deixar um legado cultural para a população sergipana”, afirmou o presidente da Celse, Eduardo Maranhão.

Maranhão aproveitou para elogiar o relacionamento que o governo mantém com a empresa. “Quero agradecer todo o apoio que temos recebido do governo de Sergipe e as tratativas republicanas que sempre tivemos nessa relação do Estado com o setor privado. Sergipe tem se mostrado um dos melhores estados para se investir no Brasil, o que pra mim não foi surpresa, mas, prova disso, é que os acionistas da empresa já estão falando hoje de expansão da termelétrica. Já estamos nos preparando para participar do próximo leilão para a segunda fase do projeto, que é a unidade que leva o nome do saudoso governador Marcelo Déda”.

O secretário de Estado da Cultura, João Augusto Gama, a parceria possibilita que sejam recuperados imóveis de grande relevância arquitetônica, histórica e cultural para o estado. “São três palcos da área cultural que representam a alma do povo Sergipano e serão recuperados e entregues à coletividade, ao povo de Sergipe. O Arquivo Público, um espaço que preserva as nossas memórias, localizado na praça Fausto Cardoso, que mais simboliza a história de Sergipe, desde a trágica morte de Fausto Cardoso à luta pela redemocratização, em 1984. O Arquivo Público, que está sendo digitalizado, é fonte de estudos para nossos pesquisadores. O Tobias Barreto é a casa do artista sergipano, da nossa Orquestra Sinfônica e a Biblioteca, diariamente, recebe tantas crianças, estudiosos e artistas com sua exposições, por isso o valor dessas reformas para Sergipe e seu povo”.

Para o presidente do Conselho Estadual de Cultura, Antônio Alves Amaral, as obras são um presente para as gerações atuais e futuras. “É de real significado para a cultura do Estado, porque promove a reforma de três dos mais significativos espaços da cultura sergipana, o Teatro Tobias Barreto, que recebe artistas locais e nacionais, o Arquivo Público que é o centro da memória documental de Sergipe e a Biblioteca Pública que tem em seus acervos, acima de tudo, obras de grandes escritores sergipanos".  

De acordo com o cantor Lula Ribeiro, os agentes culturais ficaram muito satisfeitos com a recuperação dos espaços culturais.  “Fiquei muito feliz por esse protocolo e de ver o governador realmente pressionando a empresa para começar logo essas obras. O teatro Tobias Barreto é minha casa em Aracaju, meus projetos sempre são lá e quero sempre trazer meus amigos e ter uma casa super especial na nossa cidade. Aracaju precisava disso, de uma super casa de espetáculo e cuidar dos nossos arquivos também. Ficamos muito felizes, pois a gente ver que é algo que vai andar para frente”, declarou.

Em retribuição à parceria, o governo do Estado vai permitir que a Celse use sua logomarca nos espaços, reconhecendo a relevante contribuição à cultura sergipana prestada pela empresa. O governo de Sergipe vai também assegurar à Celse acesso às ações promocionais nos espaços.

O Estado disponibilizará à Celse cotas em apresentações e duas pautas anuais no Teatro Tobias Barreto e na Biblioteca Epifânio Dória. Além de disponibilizar a Orquestra Sinfônica do Estado de Sergipe para um evento promovido pela Celse.

Caberá à Celse o ônus financeiro das obras. A Secult, com o apoio da Companhia Estadual de Habitação e Obras Públicas (Cehop) vai apresentar detalhadamente o rol das demandas necessárias para a execução das obras, além de assegurar os meios e condições necessários para a execução das reformas.

Os imóveis

O Arquivo Público de Sergipe (Apes) tem sua origem na Seção de Arquivo da Biblioteca Pública Provincial, criada em 1848. No Governo de Mauricio Graccho Cardoso foi criado, em 1923, o Arquivo Público do Estado. Em 1926, o Arquivo volta à condição de Seção da Biblioteca Pública até 1945. O imóvel que hoje abriga o Arquivo Público, o Palácio Carvalho Neto, foi construído 1936 em estilo rococó, para abrigar a Biblioteca Publica e a secção do Arquivo Público.

Em 1947, o Arquivo Público muda-se para o imóvel que hoje sedia a Escola da Assembleia (antiga Assembleia). A situação permaneceu até 1974, quando foi construído um novo prédio para a Biblioteca Epifânio Dória, no bairro 13 de julho - imóvel que também é objeto do Protocolo. A Biblioteca mudou-se e o Arquivo Público passou a ocupar o Palácio Carvalho Neto. O complexo arquitetônico que compõe a Biblioteca Dória é um exemplo da arquitetura moderna em Aracaju.

O Teatro Tobias Barreto (TTB) foi inaugurado em 17 de março de 2002. É o mais novo e maior teatro de Sergipe e considerado um dos mais modernos espaços cênicos do País. O Teatro Tobias Barreto foi projetado pelo arquiteto Rui Almeida e se destaca, enquanto obra arquitetônica, pelas formas geométricas bem definidas.

Graças ao TTB, a vida cultural na capital sergipana ganhou mais estímulo, pois sua construção permitiu que a cidade passasse a ser inserida no circuito nacional e internacional das grandes produções.

O teatro possui um sofisticado sistema de iluminação e de refrigeração, controlado por mesa computadorizada, 1.328 poltronas, divididas entre plateia e mezanino, 11 camarins, seis salas para tradução simultânea, uma para ensaio de orquestra e uma para ballet, foyer para exposições. O espaço cultural conta ainda com espaços para pequenas recepções, oficinas de teatro, área livre e estacionamento.

Celse

A Celse está construindo a UTE Porto de Sergipe, usina termoelétrica que integra o Complexo de Geração de Energia Governador Marcelo Déda e será a maior do gênero na América Latina. Irá receber um total de investimento de cerca de R$ 5 bilhões, o maior investimento feito pela iniciativa privada no Estado. A UTE hoje gera 850 empregos na construção.

A Usina está prevista para entrar em plena operação em janeiro de 2020, e terá a capacidade de gerar 1,5 mil megawatts (MGW) de energia elétrica. Para dimensionar o empreendimento deve-se assinalar que a UTE Porto de Sergipe poderá sozinha atender a 15% da demanda de toda a região Nordeste.

Adicionalmente à UTE Porto de Sergipe, um terminal de regaseificação será criado e operado pela Golar na costa de Sergipe, próximo às instalações do TMIB – Terminal Marítimo Inácio Barbosa. A realização desse investimento abrirá grandes oportunidades de investimentos na cadeia produtiva de petróleo, gás e energia em Sergipe, inclusive em razão da oferta de gás natural que poderá ser fornecido a partir do Terminal de Regaseificação.

O governo de Sergipe e Celse planejam ampliar a geração de energia termelétrica com os projetos Laranjeiras II e Marcelo Déda, também integrantes do Complexo de Geração de Energia, o que totalizará a geração de 3 GW. Ademais, funcionará também como um atrativo para investimento em outros setores de geração de energia renovável.

Foto: Marcelle Cristinne / ASN

  • Medium da06ba30013c793ef8341674f4f88c4e