BC autoriza compra da XP pelo Itaú, mas limita compra de controle até 2026

10 de Agosto de 2018, 13:35

Itaú Unibanco informou nesta sexta-feira 10 que recebeu autorização do Banco Central para compra de participação na XP, mas com restrições. Por meio de um acordo assinado com o BC, o maior banco privado do país se comprometeu a não assumir o controle da empresa de investimentos nos próximos oito anos. Ou seja, o controle poderá ser adquirido a partir de 2028, desde que ocorra a aprovação dos órgãos reguladores.


A autorização ocorre após exigências feitas em abril pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).


Em 31 de agosto, o Itaú vai consumar a aquisição de 5,7 bilhões de reais em ações da XP Holding, valor correspondente à fatia de 49,9% (ou 30,1% do capital votante) da empresa, além de aportar 600 milhões de reais. Os valores estão sujeitos a ajustes desde 11 de maio de 2017, quando foi anunciada a negociação, até a efetiva liquidação financeira. Os vendedores das ações são XP Controle Participações S.A, G.A. Brasil IV Fundo de Investimento em Participações e Dyna III Fundo de Investimento em Participações.


O acordo admite a possibilidade de novas aquisições em 2022, com as quais a participação do Itaú pode chegar a até 62,4% do capital da XP Holding, ou 40% das ações ordinárias, que dão direito a voto. Porém, para isso, será necessário um novo processo de autorização junto ao Banco Central.